.comment-link {margin-left:.6em;}

Pecado da Preguiça

From the flats and the maisonettes they're reminding us there's things to be done. But you and me, all we want to be is lazy. --- pecadodapreguica(arroba)gmail.com

Sunday, July 30, 2006

Uma semana depois

Eu devia ter oito anos, por aí. Tal como agora, era Verão. Só que nesses tempos Verão era sinónimo de férias grandes que me deixavam meses e meses entregue sozinha à televisão, enquanto os meus pais derretiam no escritório e a minha irmã ainda tinha exames a martelarem-lhe o juízo. Ele ia-me buscar a casa para ir com jogar às cartas com ele e os amigos. Eram umas cartas já muito amareladas, com as figuras das Damas e dos Reis desenhadas a grande detalhe, com pestanas e sorrisos largos e tudo. Nesse Verão, achei que me tinha tornado especialista a jogar à Bisca. Agora percebo que era ele quem me deixava ganhar. Já não me lembro como é que se joga à Bisca. Mas ainda me lembro das cartas com pestanas, das bolachas Maria que ele me dava e que eu devorava apesar de já estarem moles, da boina aos quadrados.

Adorava pregar-me partidas. Fazia ar de zombie e tirava a dentadura só para me ver gritar de desespero. Dizia-me que quando era pequeno a madrasta o obrigava a comer sandes de ananás. Quando pedi à minha mãe iguaria semelhante “como as que comia o avô quando era pequenino” a minha mãe lá me disse que as únicas sandes que a madrasta lhe dava eram sandes de porrada. Trabalhou na CP a vida quase toda e adorava ainda andar de comboio, carregado com as couves e as abóboras e as uvas que trazia da terra que ele próprio ainda sovava a enxada. Um dia um assaltante levou-lhe as sacas de verduras entre uma estação e um apeadeiro. Resolveu passar semanas a passear uma saca, igual às outras, mas com pedras, fezes de animais e um papel que dizia “agora é que te apanhei, gatuno”. A minha mãe e as minhas tias desesperavam, a minha avó encolhia os ombros e dizia que Jaquim dela era mesmo assim.

O meu avô morreu no Sábado passado, depois de anos a ser uma cada vez mais débil fotocópia de si mesmo. E eu gostava de ser capaz de acreditar que está algures a comer sandes de ananás. A dentadura, fez a minha avó questão de me dizer, ainda está no quarto.

4 Comments:

Blogger BlueAngel said...

uma beijoca e fica com esse pensamento e com coisas boas que o teu avô te deixou. :-)

10:40 pm  
Blogger Tino_de_Rans said...

Uma bonita homenagem :)

Força aí, beijinhos

8:32 am  
Anonymous mags/gigi said...

minha linda,
de certeza que está de sandocha na mão a olhar-te lá de cima (n sei se ha ceu e inferno, mas sendo teu avô, merece as estrelas!) p tomar conta de ti!
e vai ser a tua estrelinha aposto, porque os avôs são isso mm... as nossas estrelinhas!
beijo enorme

10:13 pm  
Blogger bicho_de_conta said...

...

Um beijinho, Susana.

Lia

12:15 pm  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home